Sessão nostalgia

Lembra daquela cena do Ratattoile em que o critico de gastronomia experimenta o prato típico homônimo ao filme, preparado pelo “minichef”, e tem um insight nostálgico, voltando à infância?
Pois é. Experimentei isso esses dias. Mas foi, no caso, uma experiêcia capilar, não gastronômica. Rá.
Encontrei “Neutrox” no supermercado. No banho seguinte, usei. Na hora que passei no cabelo, voltei à adolescência, em Porto Alegre, no Menino Deus, no box do banheiro da casa da minha mãe, puro a vapor do banho quente, só uma fresta da janelinha basculante aberta pra gente não morrer de Junker…
Puf. Ir ao passado e voltar rapidinho – isso também sabe ser delicioso.

 

Anúncios

Poema embriagado

Acusas-me, poema
de não te receber de bom grado.
Pois bem, que seja eu o acusado.
Chegas em horas péssimas,
chegas sempre em péssimo estado,
e queres o quê?
Queres coro, velas, perfumes?
Queres gritos exaltados?
Que diabo queres tu,
poema desfigurado?
Se chegas assim, embriagado,
cheirando a bar e a cigarro,
se chegas tirando um sarro,
tonto e querendo tudo?
Pois se é assim, te recebo mudo.
E pior, te escrevo calado.