Noites quentes

Andei achando que tava com a vida ganha. Que nunca mais sentiria azia ou a droga do refluxo. Quá quá quá. Na noite passada me lasquei de tal forma que fiquei acordada, sentada, das 2 às 5 da manhã, sem conseguir dormir com a queimação horrível no estômago e na garganta. Juro que senti, quando estava deitada, uma onda de lava vulcânica indo pra lá e pra cá dentro do meu buchão. Confesso que caguei o pau no jantar (estou num resort em Presidente Prudente) e tomei chopp e comi salaminho, queijos, depois tomei vinho e comi uma massa… Resultado: uma noite de lava vulcânica. Sentada. Insone. Furiosa. Minha opção foi ficar na sala do chalé, matando o tempo na Internet, claro, onde mais? Daí que encontrei um blog sobre esofagite, dum cara fofésimo, e cujo último (mais recente) post começa desse exato jeito que comecei meu post aqui. Exatamente as duas primeiras frases, ali, antes da risada do pato. Pois é. Pena que ele, o Moa, o cara do blog, nao anda escrevendo mais. Cara, eu adorei o Moa! Assinei o RSS do blog, mas aquele ultimo post era de 2009. Algo me diz que o Moa desistiu de compartilhar suas aventuras e desventuras estomacais. Peninha. Tentei achar o email dele mas nao achei, quero ser amiga dele no Facebook, quero ele no meu msn, quero bater papos com ele sobre Pantoprazol e Motilium, sobre cervejolas e taças de vinho não bebidas, sobre arrotos esquisitos, sobre jantar cedo – no seco – e dormir com fome se achando altamente injustiçado… Impressionante como é bom encontrar alguém numa merda similar à nossa, credo! Moa, estou aqui humildemente te citando e linkando teu blog, no claro intuito de te arrastar para a minha vida. Amei o fato de você ser aquariano como eu e – impressionante – ter disciplina! Minha resolução-base para 2012 é saúde e disciplina. Pretendo escrever muito e não mais farrear (entenda-se beber, fumar, beber, fumar, beber, fumar). Adeus, noites quentes, de queimaçao de filme e de estômago. Ai, ai, Jisuis. Ah, sim, só pra registro: não fumo há mais de duas semanas e a última grande farra (digo última mesmo, do verbo não acontecerá jamais) foi no casamento do Gigante. Agora meu nome é dieta, caminhadas, natação, leituras, escritas, artesanato, jardim… Ok, serei uma chata. Mas uma chata que dorme à noite.