a gente: douglas e eu

 

conheci o douglas na época do pré-vestibular, eu acho. a gente frequentava as mesmas festinhas e tal. ele é um cara engraçado, e faz amizade rápido, a gente logo percebe a gaiatice dele e se diverte com isso.

tem muita gente que implica com o douglas, tem uns que acham ele chato, preguiçoso. tem uns que falam que ele é má companhia. mas são uns caretas, isso sim. eu acho que o douglas tem um charme bacana, bem underground, mas nem por isso precisaria ser patrulhado por esta gente quadrada.

a gente, douglas e eu, nós fomos ficando muito chegados. tipo o pensamento de um ser o pensamento do outro, sabe? a gente se entendia de um jeito muito louco, nem precisava falar e ao mesmo tempo a gente ficava tão eloquente, entende? acho que a gente meio que se amava mesmo.

quando eu conto tem gente que não acredita, mas na época do vestibular, eu ia para o lado das exatas, e o douglas para o lado das humanas. mesmo assim ele me acompanhava até onde era minha prova, e depois ia calmamente para o local da prova dele. ambos passamos fácil no vestibular. eu para engenharia química e matemática, ele para artes dramáticas e literatura.

a gente, douglas e eu, fomos nos apaixonando. e quando a gente transava, era como se virássemos puro elemento, fogo e ar, terra e água, sei lá. era uma coisa muito completa, éramos dois bichos e ao mesmo tempo duas crianças. descobrimos áreas em nossos corpos e em nossas mentes, áreas nunca antes navegadas. ficamos como que dependentes um do outro, douglas e eu.

o tempo passou, e nisso ninguém consegue interferir, o tempo passa mesmo, e minha relação com o douglas também foi mudando. o fato é que não conseguíamos ficar muito tempo um longe do outro, porque nem um nem outro queria isto de fato. morávamos juntos em uns períodos, morávamos separados em outros. construímos juntos uma relação de amizade e amor, de respeito mútuo, cada um percebendo a importância do espaço do outro. crê?

o douglas apronta, sabia? às vezes some, ninguém tem notícia, desaparece. ele é festeiro, adora a boemia, fica na farra até tarde, bebe todas, fuma que é um caipora. aí depois de um tempo reaparece, na maior cara de pau, rindo à toa. mas eu o perdoo sempre, sabia? a gente, douglas e eu, somos mesmo uns enrolados.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s